Por Que Devemos Ser “Ageful”e Não “Ageless”?

Pra começar vamos diferenciar as duas palavras.

Ageless = Sem idade 

Ageless é um adjetivo que descreve uma pessoa ou coisa cuja idade não pode ser definida, é inexistente ou parece não mudar. Também pode descrever algo que sempre existiu sem um começo ou fim preciso. A inoperância pode ser usada como sinônimo de imortalidade; mais especificamente refere-se à juventude eterna.

Ageful = Com idade

Já o termo “ageful” signica com idade, aquela idade em que o ser humano atinge seu desenvolvimento completo.

O termo “ageless” nasceu por causa de uma tendência que se está tendo de classificar as gerações por idade e características referentes a seu tempo. E as pessoas “ageless” são aquelas que não querem ser rotuladas por idade.

Embora vivamos em uma sociedade em estágio de envelhecimento, a velhice ainda é tratada como um problema. Estamos vivendo mais e, ainda assim, as atitudes etárias de proteger a idade adulta prevalecem.

por-que-devemos-ser-agefiul-e-nao-ageless

Idade Adulta em Outros Países

Lembrei-me disso recentemente nas minhas férias em Portugal e Malta – sei que Portugal tem seus desafios, mas pelo menos é um país onde os idosos são tratados com respeito. Eu adoro ver todas as “velhinhas” em trajes de banho na praia com suas famílias, e os “velhinos” jogando conversa fora nas praça das cidades. Eles não ficam presos dentro de casa.

Leias: O Que 7 Famosas Pensam Sobre o Envelhecimento

Em outros países, como o Japão e a Suécia, há uma provisão muito melhor para a população idosa – cuidados de qualidade de vida, aulas de ginástica, projetos recreativos, etc. Lá pessoas mais velhos geralmente trabalham como voluntários e são vistos como um recurso útil , por isso faz sentido cuidar deles.

Aqui no Brasil, vejo mulheres que querem impulsionar esta tendência de “lifestyle” e que negam a todo o momento sua idade. Só o fato de querer se enquadrar como “ageless”, para mim jé é uma negação da faixa etária. Como se este enquadramento de ser “ageless” lhes tirasse o peso dos anos. Como se este conceito fosse moderno e que se admitirmos “ser uma pessoa com idade, uma pessoa na terceira idade, uma pessoa de meia-idade e/ou uma pessoa mais velha”, nos vai tornar mulheres obsoletas.

por-que-devemos-ser-agefiul-e-nao-ageless

Rejeição do termo meia-idade

Ter passado dos 60 hoje é muito diferente do que 15 anos atrás. Hoje temos estilo e atitude muito mais jovens do que tinham nossas mães. Temos sede de experiência, cultivamos hábitos e estilo de vida que harmonizam com várias idades. Então porque rejeitarmos a definição de mulheres de meia-idade, mulheres idosas, mulheres com idade?

Por favor, não vamos ser hipócritas. É como se deixássemos de assumir e esconder este fato da idade, ficássemos mais modernas e atemporais. O movimento “ageless”, ao meu ver é um movimento que quer deixar de falar em idade e quer , é querer mascarar a verdadeira idade e não quer se basear em cronologia e sim em identidade social.

Podemos ser mulheres mais velhas sim, mas não podemos nós mesmas ser descritas como inúteis e incompetentes. Não podemos temer a velhice e assumir questões estereotipadas associadas ao envelhecimento e à discriminação por idade. Precisamos reivindicar nossa idade em vez de negar e nos acharmos “ageless”, precisamos reconhecer que a vida é finita e procurar a beleza em rostos e corpos mais velhos.

Acho genial esta ideia de “ageful”, de idade adula que é o conceito que pretendo defender. A idade é um acúmulo de todas as coisas que fizemos, nos tornamos e somos. O termo “ageless” é antiquado , pois nos priva de um dos recursos mais conquistados que é a nossa idade atual. O que a idade tem a ver com aquilo que somos? Vamos nos concentrar no tipo de pessoa que nos tornamos e somos.

por-que-devemos-ser-agefiul-e-nao-ageless

Não quero aparentar o que não sou nem esconder quantos anos tenho

Quaisquer que sejam as nossas trajetórias, seja desde crianças até agora, somos a soma dessas experiências e aprendemos com elas. Nossa idade é rica e profunda. O melhor de envelhecer é que a gente não perde todas as outras mulheres que fomos. Não somos uma geração de muheres eternas. Continuamos socialmente ativas mas cevemos perder o medo de envelhecer.

Muitas mulheres provaram que a idade é apenas um número. Podemos tolerar isso, mas não precisamos depender disso. O que você acha disso? Você concorda que as mulheres com mais de 40, 50 e até mesmo 60 anos são uma nova geração sem idade, uma geração “ageless”? Compartilhe o que você pensa nos comentários.

De agora em diante eu vou ser “uma mulher de “meia-idade”, e não uma mulher “sem idade”.

Como vocês encaram este desafio e estes conceitos de “ageless” e “ageful”?

Quer receber os posts do blog por e-mail sempre nas sextas-feiras? Então assine a newsletter.

Se você gostou deste post compartilhe com uma amiga! Seu feedback é muito importante para guiar a programação e o conteúdo deste blog.

Siga meu  Instagram

Beijos

Você também pode gostar:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

Comente pelo Facebook