Por Que Devemos Ser “Ageful”e Não “Ageless”?

Pra começar vamos diferenciar as duas palavras.

Ageless = Sem idade 

Ageless é um adjetivo que descreve uma pessoa ou coisa cuja idade não pode ser definida, é inexistente ou parece não mudar. Também pode descrever algo que sempre existiu sem um começo ou fim preciso. A inoperância pode ser usada como sinônimo de imortalidade; mais especificamente refere-se à juventude eterna.

Ageful = Com idade

Já o termo “ageful” signica com idade, aquela idade em que o ser humano atinge seu desenvolvimento completo.

O termo “ageless” nasceu por causa de uma tendência que se está tendo de classificar as gerações por idade e características referentes a seu tempo. E as pessoas “ageless” são aquelas que não querem ser rotuladas por idade.

Embora vivamos em uma sociedade em estágio de envelhecimento, a velhice ainda é tratada como um problema. Estamos vivendo mais e, ainda assim, as atitudes etárias de proteger a idade adulta prevalecem.

por-que-devemos-ser-agefiul-e-nao-ageless

Idade Adulta em Outros Países

Lembrei-me disso recentemente nas minhas férias em Portugal e Malta – sei que Portugal tem seus desafios, mas pelo menos é um país onde os idosos são tratados com respeito. Eu adoro ver todas as “velhinhas” em trajes de banho na praia com suas famílias, e os “velhinos” jogando conversa fora nas praça das cidades. Eles não ficam presos dentro de casa.

Leias: O Que 7 Famosas Pensam Sobre o Envelhecimento

Em outros países, como o Japão e a Suécia, há uma provisão muito melhor para a população idosa – cuidados de qualidade de vida, aulas de ginástica, projetos recreativos, etc. Lá pessoas mais velhos geralmente trabalham como voluntários e são vistos como um recurso útil , por isso faz sentido cuidar deles.

Aqui no Brasil, vejo mulheres que querem impulsionar esta tendência de “lifestyle” e que negam a todo o momento sua idade. Só o fato de querer se enquadrar como “ageless”, para mim jé é uma negação da faixa etária. Como se este enquadramento de ser “ageless” lhes tirasse o peso dos anos. Como se este conceito fosse moderno e que se admitirmos “ser uma pessoa com idade, uma pessoa na terceira idade, uma pessoa de meia-idade e/ou uma pessoa mais velha”, nos vai tornar mulheres obsoletas.

por-que-devemos-ser-agefiul-e-nao-ageless

Rejeição do termo meia-idade

Ter passado dos 60 hoje é muito diferente do que 15 anos atrás. Hoje temos estilo e atitude muito mais jovens do que tinham nossas mães. Temos sede de experiência, cultivamos hábitos e estilo de vida que harmonizam com várias idades. Então porque rejeitarmos a definição de mulheres de meia-idade, mulheres idosas, mulheres com idade?

Por favor, não vamos ser hipócritas. É como se deixássemos de assumir e esconder este fato da idade, ficássemos mais modernas e atemporais. O movimento “ageless”, ao meu ver é um movimento que quer deixar de falar em idade e quer , é querer mascarar a verdadeira idade e não quer se basear em cronologia e sim em identidade social.

Podemos ser mulheres mais velhas sim, mas não podemos nós mesmas ser descritas como inúteis e incompetentes. Não podemos temer a velhice e assumir questões estereotipadas associadas ao envelhecimento e à discriminação por idade. Precisamos reivindicar nossa idade em vez de negar e nos acharmos “ageless”, precisamos reconhecer que a vida é finita e procurar a beleza em rostos e corpos mais velhos.

Acho genial esta ideia de “ageful”, de idade adula que é o conceito que pretendo defender. A idade é um acúmulo de todas as coisas que fizemos, nos tornamos e somos. O termo “ageless” é antiquado , pois nos priva de um dos recursos mais conquistados que é a nossa idade atual. O que a idade tem a ver com aquilo que somos? Vamos nos concentrar no tipo de pessoa que nos tornamos e somos.

por-que-devemos-ser-agefiul-e-nao-ageless

Não quero aparentar o que não sou nem esconder quantos anos tenho

Quaisquer que sejam as nossas trajetórias, seja desde crianças até agora, somos a soma dessas experiências e aprendemos com elas. Nossa idade é rica e profunda. O melhor de envelhecer é que a gente não perde todas as outras mulheres que fomos. Não somos uma geração de muheres eternas. Continuamos socialmente ativas mas cevemos perder o medo de envelhecer.

Muitas mulheres provaram que a idade é apenas um número. Podemos tolerar isso, mas não precisamos depender disso. O que você acha disso? Você concorda que as mulheres com mais de 40, 50 e até mesmo 60 anos são uma nova geração sem idade, uma geração “ageless”? Compartilhe o que você pensa nos comentários.

De agora em diante eu vou ser “uma mulher de “meia-idade”, e não uma mulher “sem idade”.

Como vocês encaram este desafio e estes conceitos de “ageless” e “ageful”?

Quer receber os posts do blog por e-mail sempre nas sextas-feiras? Então assine a newsletter.

Se você gostou deste post compartilhe com uma amiga! Seu feedback é muito importante para guiar a programação e o conteúdo deste blog.

Siga meu  Instagram

Beijos

Você também pode gostar:

4 comentários

Comentário

Gostei muito de seu texto. Concordo com você. Devemos assumir nossas idades e temos orgulho disso!

Comentário

Oi darly, fico feliz que você tenha se agradado e se identificado com o texto. Muito obrigada pela visita e comentário. Beijo grande!

Comentário

Ótimo post, Janeisa! Gostei muito quando você falou que precisamos reivindicar nossa idade em vez de negar e nos intitularmos ageless. Ao assumirmos, estamos contribuindo para conquistar um espaço nosso, e que já está mais do que na hora de deixarmos de ser invisíveis para a sociedade, para o mercado de moda e beleza.
Beijos!

Comentário

Obrigada Denise! Esta pauta está sempre presente nos textos sobre comportamento aqui no blog. Beijos querida!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

Comente pelo Facebook